Diálogos infantis: Mariazinha e Pedrinho. Ou, sejamos mais crianças!

Era noite e a lua estava radiante!

Fui visitar minha querida Isabela Lago, aka Troveja, em seu aniversário de 38 anos. Momento delicado na vida dessa filha de Oyá. Um ente querido, jovem, negro, 22 anos, pai de uma garotinha de 4, filho de Lene, foi assassinado pela Rotam de Belém, na tarde do último 30 de abril.

Cheguei tarde e desesperada de fome. Mal dei boa noite às pessoas que já estava falando de boca cheia. Bolo e lasanha feitos por su madrecita. Duas delícias repetíveis até passar mal.

Para falarmos num pouco de privacidade, fomos sentar lá na calçada, na rua. Clima ameno, fresco. Coisa rara em Belém. Falamos sobre Felipe (o filho de Lene) e a experiência que Isabela teve nesse processo de despedida. Rimos. Refletimos. Lamentamos. Isabela chorou por dor de lembrar de alguns detalhes.

Ao longo do tempo que lá ficamos, fomos rodeadas pela Mariazinha e pelo Pedrinho. Ela tem 7 e ele 6 anos. São primos , vizinhos e amigos. E corriam e gritavam e suavam e nos esbarravam e todas essas peraltices. Lá pelas tantas, começaram a discutir e nos pusemos atentas ao diálogo.

Ela queria brincar de uma coisa e ele de outra coisa. Naquele debate acalorado, não sou capaz de dizer quem queria brincar de que, discutiam entre brincar de pira-esconde (esconde-esconde) e jogo de perguntas. Sei bem que a Isabela disse: “minha filha, você tem que negociar, faça um acordo” e Mariazinha, com o mais tranquilo semblante rebateu: “ah mãe, mas eu não gosto de negociar, gosto de brincar”. Não consegui segurar minha estrondosa gargalhada. A bicha chega ecoou na rua deserta e silenciosa da rua Marajó, no conjunto Marex.

Pois bem, resolveram, não sei como, brincar primeiro de pira-esconde.

Antes, quero dizer de como estavam ambos vestidos. Maria usava um vestido azul claro, eu acho, e sandália tipo percata, com led (aquela luz que brilha no escuro). Pedro estava de bermuda, camiseta de gola e chinela de dedo.

Pedro: “vai te esconder, eu sou a mãe”.

E Maria correu menos de dois metros, se escondeu atrás de uma árvore mais magra que ela e bem embaixo de um poste de iluminação pública e, calçada em sua sandália com luz de led, se agachou esperando que Pedro não a visse. A coitadinha ainda por cima caiu de bumbum no chão, chamando atenção do amigo-primo. Quase morro de tanto rir, de novo, daquela criatura ingênua se escondendo no lugar mais visível da rua e tão perto de Pedrinho, a mãe, que não seriam necessários mais que 30 segundos para vê-la.

Foi exatamente o que aconteceu. Pedrinho virou e viu Mariazinha. Pois bem, foi a vez de Maria ser a mãe. Não lembro porque, mas novamente discutiram e aos risos Maria solta: “anda mulher, vai logo te esconder pra lá” e apontou pra uma direção da rua, pra onde Pedrinho se dirigiu e se escondeu. Morri de rir de novo, como assim Maria tava escolhendo o lugar pra ele se esconder e ele topou? Mas meu encanto não parou aí.

Maria conferiu e foi atrás de Pedrinho. Só que o moleque foi esperto e se escondeu de verdade, Maria tava com medo de ir atrás. Lá no meio da rua ela grita: “Pedrinhoooooooooooo”, como quem o tivesse visto. Olhamos, eu e Isabela, mas a rua tava vazia. Rimos, lógico. Maria estava blefando. E Isabela estimulou: “vai lá, filha, vai atrás dele”. E Maria foi. Mas foi tão perto que Pedrinho saiu do esconderijo e conseguiu correr mais do que ela, bateu na parede e se livrou de ser a mãe novamente.

Rimos de novo e de novo:  “como são bobos” e começamos a lembrar do que fazíamos para nos escondermos.

Depois foram discutir sobre o jogo de perguntas, não houve acordo. Novamente estavam num impasse. Até que deu a hora e Pedrinho foi embora.

Mas porque resolvi descrever essa cena? Apenas porque Pedrinho foi a “mãe” e Maria o chamou de “mulher” e nenhuma coisa, nem outra, afetou a masculinidade de um moleque de 6 anos de idade. Aprendamos com as crianças, suas espontaneidades e seus desapegos às categorias. Ou seja, apenas sejamos felizes.

<3

pedro e maria
Pedrinho e Mariazinha: que essa infância seja de inspirações eternas!
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s